Artigo

Setembro e a Palavra de Deus - Dom Orlando Brandes, Arcebispo de Aparecida

O mês de setembro nos convida a conhecer, amar, praticar e anunciar a Palavra. Deus mesmo suscita em nós a “fome da Palavra”. Em nossa boca, a Palavra é uma delícia. Ela alegra, transforma e dilata nosso coração. A flor murcha, a erva seca, mas a Palavra permanece. Ela é inesgotável.

Sim, no início existia a Palavra: "Deus disse: faça-se". As coisas existem por ordem da Palavra de Deus. Elas são o pensamento de Deus pronunciado. Elas se originam no coração de Deus e são criadas pela força da Palavra divina. A Palavra é criadora, regeneradora, fecunda, recriadora. "Dize uma Palavra, e meu servo será curado", pede o centurião romano a Jesus. A Palavra de Deus pode criar uma vida nova em nós. O primeiro mandamento de Israel era o shema: "Escuta Israel". No Tabor, Deus diz: "Este é meu filho muito amado, escutai-o".

A Palavra é comunicação, é expressão do sentimento, é voz da verdade, é ponte, é diálogo, é revelação, é terapia. Os quatro atos negativos da palavra humana são: a mentira, a maledicência, os insultos, a tagarelice. A isso chamamos de babel, ou seja, confusão. Já os quatro atos positivos são: a franqueza, o elogio, a escuta, a clareza. O que caracteriza o ser humano é a linguagem. Assim, o homem é um ser falante e, ao mesmo tempo, ouvinte.

Precisamos proteger a Palavra de Deus, cuidar dela e zelar por ela. Vejamos as razões para que a Palavra seja protegida pelo “não”:

1. Não falsificar a Palavra.

2. Não acorrentar a Palavra.

3. Não pregar a nós mesmos, ou seja, não projetar a si mesmo na pregação.

4. Não emudecer a Palavra.

5. Não manipular a Palavra.

6. Não silenciar a Palavra.

7. Não ocultar a Palavra.

8. Não ler mal nem depressa a Palavra.

9. Não supor o conhecimento da Palavra pelo povo.

10. Não só de pão vive o homem, mas da Palavra que sai da boca de Deus.

11 . Não dificultar o acesso à Palavra.

12. Não ignorar as Escrituras.

13. Não prejudicar a Palavra pela incoerência e pelo palavrório.

14. Não envelhecer a Boa-Nova.

15. Não deformar o Evangelho.

16. Não fazer da Bíblia um livro de estudo, de consulta, de discussão.

17. Não tornar estéril a Palavra pelas más ações e pelo mau comportamento.

18. Não ler a Palavra ao pé da letra e com interesse individualista.

19. Não trocar a Bíblia por outras devoções.

20. Não obrigar a Palavra a dizer o que ela não disse.

21. Não domesticar o Evangelho.

Símbolos que revelam a Palavra

A palavra é pão: nutrição, alimento, comida, delícia: “Toma o livro e come-o” (Ap 10,9).

A palavra é rocha: fundamento, segurança, alicerce, proteção.

A palavra é ouro, prata, tesouro. (SI 18)

A palavra é doce como o mel. (Sl 18, 11)

A palavra é lâmpada. (SI 118, 108, 105)

A palavra é martelo. (Jer 23, 29)

A palavra é chuva. (Is 55, 10-11)

A palavra é espada. (Heb 4, 12)

A palavra é leite. (I Cor 3,2)

A palavra é carta. (II Cor 3, 3)

A palavra é espelho que reflete o rosto de Cristo.

A palavra é motor: (Gn 1,1) movimenta toda a criação.

A palavra é bússola, é guia.

A palavra é semente.