Homilia

Abertura Campanha da Fraternidade 2018.

01/01/2018

Abertura Campanha da Fraternidade 2018. CF: Tema: “Fraternidade e superação da violência” Lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8). Saúdo os irmãos e irmãs presentes aqui na Igreja Catedral São José, e também aqueles e aquelas que nos acompanham através dos meios de comunicação. Meu carinho e estima aos enfermos e seus familiares. Minha profunda gratidão às emissoras de rádio da região que estão em cadeia com a Rádio Difusão Sul Riograndense AM de Erechim, levando ao nosso querido povo de Deus estas palavras que marcam o lançamento da Campanha da Fraternidade de 2018, que tem como lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8), e o tema: “Fraternidade e superação da violência”. Queridos irmãos e irmãs, diariamente ouvimos notícias sobre a violência, ou nos deparamos com situações de violência, em nível familiar, comunitário e nacional. Mas creio que todos nós desejamos a paz; muitas pessoas a constroem todos os dias com pequenos gestos; muitos sofrem e enfrentam pacientemente a dificuldade de tantas tentativas para construí-la. Pequenos e cotidianos gestos testemunham como os valores do Evangelho são imprescindíveis para a construção de um mundo novo, sem violência. O agir que supera a violência tem como fundamento o Evangelho que aponta para a grandeza da vida e a beleza de viver. Tendo presente que a vida é dom de Deus, cada um de nós, em todas as realidades, pode testemunhar a beleza da vida e a graça de vivermos todos como irmãos! Essa verdade do Evangelho deveria ecoar em nossos corações, em nossas comunidades e em nossa sociedade. A superação da violência e a promoção de uma cultura da paz pedem comprometimento e ações que envolvam a sociedade civil, os membros das Igrejas e os poderes constituídos. A Campanha da Fraternidade deste ano nos convoca e viver a prática de Jesus no exercício da escuta, do acolhimento, do diálogo, do anúncio e da denúncia da violência na dimensão pessoal, de modo especial nas formas em que ela se verifica nas famílias, contra as mulheres, que muitas vezes não falam ou não as denunciam por ameaças do agressor. Isto coloca a dignidade da pessoa e do núcleo familiar em estado de permanente agressão. A superação da violência nasce da relação com o outro. A cultura da paz acontece em todas as realidades da vida e na relação com todos os seres. O primeiro lugar onde o ser humano aprende a se relacionar é a família. E pode também ser o primeiro lugar onde ele sofre violência. Ninguém nasce violento. Contudo a pessoa pode vir a ser violenta. O comportamento violento pode ser iniciado na família, quando não existe um ambiente de amor, perdão e reconciliação que favorece o respeito pela vida. Este comportamento, mais tarde, pode ser replicado socialmente nas relações sociais ao longo da vida. A conversão, concretizada nas mudanças de atitudes e comportamentos, é a principal proposta que o período quaresmal nos oferece. A cultura da violência ecoa na sociedade como produto final, mas emerge da base, ou seja, dos homens e das mulheres que vivem a agressividade. É no processo de conversão social que somos impulsionados a agir em benefício da humanidade. Sem ela, nossas ações se voltam à perspectiva ou garantia do eu, na qual “vale tudo”, inclusive a aniquilação do outro. Para finalizar, recordo as palavras do Papa Francisco, na mensagem para a Quaresma deste ano, referindo-se ao fogo da Páscoa: “Convido, sobretudo os membros da Igreja, a empreenderem com ardor o caminho da Quaresma, apoiados na esmola, no jejum e na oração. Se por vezes parece apagar-se em muitos corações o amor, este não se apaga do coração de Deus! Ele sempre nos dá novas ocasiões, para podermos recomeçar a amar”. Queridos irmãos e irmãs de todas as comunidades da nossa Diocese de Erexim, ministros ordenados, instituídos e oficializados, outros agentes de pastoral, homens e mulheres de boa vontade, abertos a escuta de Deus, se vos aflige a difusão da violência, que ameaça a vida em todas as realidades sociais, se vos preocupa a indiferença que paralisa os corações e as ações do bem e de paz, se vedes esmorecer o valor e a dignidade da vida, uni-vos a nós para juntos invocarmos a Deus, e trabalharmos na promoção de uma cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus. Que neste Ano Nacional do Laicato, nos deixemos envolver pela graça divina, para superarmos a violência que tira a vida de milhares de pessoas na nossa sociedade brasileira. Que o Senhor da vida, com sua ternura e compaixão nos acompanhe no caminho da construção da fraternidade, onde todos vivam em paz como irmãos. Declaro oficialmente aberta a Campanha da Fraternidade de 2018 na Diocese de Erexim.