Homilia

Procissão Sexta–Feira Santa

30/03/2018

Procissão Sexta–Feira Santa – 30/3/2018 Saúdo os sacerdotes e diáconos aqui presentes, o pastor Orlando, da Igreja Batista e presidente do Conselho de Pastores das Igrejas Evangélicas de Erechim e, através dele, saúdo os pastores, pastoras, os irmãos e irmãs de todas as Igrejas Cristãs e de outras denominações religiosas, que, em espírito de fé no Senhor Jesus, estão participando nesta noite deste momento de comunhão. Saúdo as autoridades municipais aqui presentes ou representadas, e manifesto minha gratidão à administração municipal, na pessoa do Senhor Prefeito Municipal, Luis Francisco Schmidt, à Secretaria de Educação, através de sua titular Vanir Clara Bernardi Bombardelli, cumulativamente titular da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo, por ter trabalhado com empenho para que este encontro tão significativo para o povo da nossa quase centenário município de Erechim e visitantes pudesse estar acontecendo. Hoje vivemos um dia de reflexão, lembrando o sofrimento e a morte do Senhor Jesus, o filho do Deus Altíssimo, enviado pelo Pai a este mundo para resgatar a humanidade ferida pela dor do pecado e da morte. Ele passou por este mundo fazendo o bem. Suas palavras permanecem entre nós transmitindo amor, perdão, reconciliação. Com sua vida, testemunhou a compaixão e a misericórdia pelos caídos. Nem a violência dos açoites, nem os espinhos, nem os cravos que perfuraram seus pés e mãos, nem a espada que lhe transpassou o corpo mataram seu amor por cada um de nós. Sobre a cruz, na verdade, cumprem-se as palavras que ele progressivamente havia pronunciado no Evangelho. A cruz é o lugar do qual atrai o mundo todo a si (Jo 12,32). É o lugar onde manifesta a sua realeza como serviço (Jo 19,37). Ela é o lugar do qual Jesus salva os seres humanos do veneno do pecado que destrói a paz e fomenta a violência, que tira a vida de tantos irmãos e irmãs em nosso país, dos quais uma alta porcentagem é de jovens. Contemplando Cristo na cruz, vemos realizadas as palavras do profeta Isaías: “Foi ferido por causa dos nossos crimes, esmagado por causa das nossas iniquidades. O castigo que nos salva caiu sobre ele, fomos curados pelas suas chagas. Todos andávamos desgarrados como ovelhas perdidas, cada um seguindo seu caminho. Mas o Senhor carregou sobre ele todos os nossos crimes” (Is 53,5-6). Sobre a cruz Jesus é plenamente o Bom Pastor, segundo a descrição que ele mesmo faz de si (Jo 10). Quando oferecerá a si mesmo como sacrifício de reparação, verá uma descendência, terá uma posteridade duradoura e viverá longos dias, e o desígnio do Senhor realizar-se-á por meio dele (Is 53,10), a sua paixão é oferta de si para cumprir a vontade do Pai, é livre adesão ao projeto da nossa salvação (Jo, 18,4). “Ele, o justo justificará a muitos” (Is,11): por sua paixão nos doou a justificação. A justiça de Deus, em Cristo, não justifica justiciando, mas nos tornando justos. Nisto está a esperança dos que testemunham sua fé diante da cruz. O Senhor continua a estar próximo de nós, em cada passo da nossa história. Assim, podemos contemplar o seu amor em cada gesto de bem e em cada momento de dor que marcam e perpassam o coração humano. Não estamos sozinhos. O Senhor Jesus está ao nosso lado, com o seu zelo que é bálsamo para os nossos corações e partilha solidária da nossa dor. Que a violência manifestada na Paixão do Senhor, presente também em nossa sociedade, não sufoque em nosso coração a responsabilidade e não roube a esperança de trabalharmos juntos pelo crescimento de uma cultura da paz, por uma sociedade pacificada e pacificadora, que expresse a presença do Senhor Ressuscitado, Senhor da Vida, presente no meio de nós, para que todos tenham vida e vida em abundância. Deus vos abençoe e voz proteja. Amém.