Notícia

Jesuítas: Causa de canonização do padre Pedro Arrupe começa em Roma

Anúncio feito pelo superior geral da Companhia de Jesus

O superior geral da Companhia de Jesus anunciou hoje a abertura da causa de canonização do padre Pedro Arrupe, que foi responsável mundial dos Jesuítas entre 1965 e 1983.

“Começámos, de forma empenhada, o processo de beatificação do padre Pedro Arrupe”, afirmou o padre Arturo Sosa, numa reunião em Bilbau, terra natal do antigo prepósito-geral da Companhia de Jesus, onde estavam reunidas várias centenas de jesuítas e leigos do norte da província espanhola.

O portal ‘Ponto SJ’, dos jesuítas portugueses, noticia que o processo vai ser iniciado na Diocese de Roma, onde faleceu o padre Pedro Arrupe.

“Para nós é uma figura de grande importância e queremos sublinhar que viveu a santidade de uma forma muito profunda e original em toda a sua vida: como jovem, como jesuíta, como mestre de noviços, como provincial e geral”, precisou o padre Arturo Sosa, 31.º superior geral da Companhia de Jesus e o primeiro sucessor de Santo Inácio de Loiola nascido fora da Europa.

A tramitação do processo de santidade de um católico morto com fama de santo passa por etapas bem distintas.

Pelo menos cinco anos após a sua morte, qualquer católico ou grupo de fiéis pode iniciar o processo, através de um postulador, constituído mediante mandato de procuração e aprovado pelo bispo local.

Aos bispos diocesanos compete o direito de investigar acerca da vida, virtudes ou martírio e fama de santidade ou de martírio, milagres aduzidos, e ainda, se for o caso, do culto antigo do Servo de Deus, cuja canonização se pede.

Este levantamento de informações é enviado à Santa Sé: se o exame dos documentos é positivo, o “servo de Deus” é proclamado “venerável”.

A segunda etapa do processo consiste no exame dos milagres atribuídos à intercessão do “venerável”; se um destes milagres é considerado autêntico, o “venerável” é considerado “beato”.

Quando após a beatificação se verifica um outro milagre devidamente reconhecido, o beato é proclamado “santo”.

A canonização, ato reservado ao Papa, é a confirmação por parte da Igreja de que um fiel católico é digno de culto público universal (no caso dos beatos, o culto é diocesano ou do âmbito de uma congregação religiosa) e de ser dado aos fiéis como intercessor e modelo de santidade.

Fonte: Agência Ecclesia