Voz da Diocese

Semeadores de esperança
18/11/2018

Estimados Diocesanos! Como cidadãos deste país, devemos, na medida do possível, participar das comemorações que evocam os acontecimentos cívicos da nossa pátria. Durante o ano civil, temos várias comemorações que nos remetem aos acontecimentos que marcaram a nossa história e fizeram história porque ajudaram a construir a identidade da nossa nação brasileira.

Na Igreja, povo de Deus, o Ano litúrgico nos ajuda a celebrar a ação de Deus, que se fez e se faz presente nos acontecimentos da humanidade, mas também na nossa vida, marcada pela fé, o amor, a esperança e a caridade. Quando nos reunimos em comunidade para prestar culto a Deus, colocamos a vida e a sua realidade diante d’Ele e da sua misericórdia. Mas também é um momento para louvarmos e agradecermos, pelo passado e pelo presente, sem deixarmos de alimentar a nossa esperança em relação ao futuro, que está em suas mãos.

Por isso, tomo a liberdade de convidar os queridos diocesanos para celebrarem com espírito de gratidão a Deus o dia nacional e universal de Ação de Graças, na próxima quinta-feira, tendo presente tudo o que o Senhor, com gratuidade e amor, tem nos oferecido. Mas não queremos celebrar este dia sem olhar a realidade dos menos favorecidos. Seria uma ofensa aos olhos de Deus a nossa indiferença às necessidades dos menos favorecidos, os pobres.

O Papa Francisco, ciente da realidade da fome, que atinge milhões de pessoas empobrecidas nos cinco continentes, instituiu na Igreja o “Dia mundial dos pobres”, que será celebrado, a cada ano, no domingo que antecede a Solenidade de Jesus Cristo Rei do Universo. Vivemos num mundo marcado por fortes contrastes sociais, mas interligados pelo apelo de consumo das novas tecnologias. Nesta realidade, podem passar despercebidas as reais necessidades daqueles que não têm sequer uma refeição por dia. Abundância, desperdício e fome podem estar bem presentes na realidade na qual vivemos. Mas os nossos olhos podem fingir não ver e o nosso coração não sentir a necessidade de praticar a caridade.

«Este pobre clama e o Senhor o escuta» (Sal 34, 7). Com estas palavras, extraídas do Salmo, o Papa Francisco nos motiva a vivermos o “II Dia Mundial dos Pobres”. É um momento também para manifestarmos a nossa gratidão a Deus por tantos colaboradores, que são protagonistas da caridade e da solidariedade com os pobres e as instituições que amparam os que estão em situações de vulnerabilidade social.

Tende todos um bom domingo.

+ Dom José Gislon - Bispo Diocesano de Erexim

- Dom Frei José Gislon