Galeria de Fotos

Dom Adimir abre ano jubilar de ouro da Diocese de Erexim

Em missas na tarde do dia primeiro de agosto, na Catedral e na manhã do dia 02, no Santuário de Fátima, Dom Adimir declarou aberto o ano jubilar de ouro da Diocese de Erexim que terá diversas atividades de estudo, levantamento histórico e reflexões nas paróquias, setores de pastoral e movimentos eclesiais até a romaria de Fátima no segundo domingo de outubro do próximo ano.

A missa na Catedral foi concelebrada por 21 padres, com a participação de dois diáconos, religiosas, representantes de setores pastorais e outras pessoas, com os devidos cuidados para a prevenção da Covid-19. A missa no Santuário foi concelebrada por 5 padres e número de participantes segundo os mesmos cuidados preventivos da pandemia.

Na motivação inicial para o louvor e a ação de graças no início do ano jubilar, foram lembrados alguns aspectos da vida diocesana, sua criação pelo Papa Paulo VI juntamente com as dioceses de Cruz Alta e Rio Grande, os Bispos até agora, as assembleias da ação evangelizadora, as atividades da coordenação e dos setores de pastoral, a formação para os ministérios ordenados e de leigos, as orientações diocesanas, a ação dos leigos e leigas, a infraestrutura e os recursos para as três dimensões fundamentais da Igreja, a evangelização, a liturgia e a caridade. (adiante, texto completo).

No começo de sua homilia, Dom Adimir se referiu ao início do mês vocacional, que neste ano tem como tema “Amados e chamados por Deus” e por lema, “És precioso aos meus olhos. Eu te amo” (cf Is 43,4). Externou saudação especial aos padres e diáconos, cuja vida e ministério são contemplados na primeira semana deste mês. Depois falou da abertura do ano jubilar, como tempo, segundo a Bíblia e a tradição da Igreja, de celebração da ação de Deus, de transformação, mudança e esperança. Tempo de projetar o futuro, na realidade presente, com a experiência do passado. Lembrou, com gratidão, os bispos que o precederam, os padres, diáconos, religiosos e religiosas, leigos e leigas que dedicaram a vida à Igreja nesta região. Em tudo o que viveram, nada os separou do amor de Cristo e nele se tornaram vencedores, conforme a segunda leitura da celebração. Mas há muito a realizar. Lembrando o evangelho do dia, que narrava a compaixão de Jesus pelos que o procuravam, curando seus doentes e providenciando o alimento para eles, ressaltou que ele continua a pedir para garantir o pão para a multidão necessitada, o pão da Palavra, o pão da Eucaristia, o pão da justiça, da solidariedade. Concluiu exortando a todos a pedir a Deus um coração humilde e agradecido, um coração sábio e generoso para viver o compromisso do Evangelho e realizar objetivo do plano diocesano da ação evangelizadora: Evangelizar, a partir da escuta e da vivência da Palavra de Deus, alimentados pela Eucaristia, fortalecendo uma Igreja diocesana de comunhão e participação, em saída, rumo à plenitude. (Adiante, a homilia de Dom Adimir)

 No final da celebração, o Coordenador Diocesano de Pastoral, Pe. Maicon Malacarne, referiu-se ao 14º Plano da Ação Evangelizadora da Diocese, ressaltando que uma das marcas da sua história é a organização e o planejamento pastoral. Para ajudar na divulgação e implementação do atual Plano, cujo texto, há mais tempo, foi enviado às Paróquias, foi organizado um vídeo, do qual apresentou uma síntese.

Dom Adimir elencou algumas propostas iniciais para o ano jubilar: a constituição de uma comissão para planejar e coordenar as atividades a serem desenvolvidas, visita pastoral a todas as paróquias, retomada da história de cada paróquia e setor, impulso à vida de espiritualidade para uma experiência profunda de Deus, celebração solene dos 50 anos de Diocese no dia primeiro de agosto e encerramento do ano jubilar na romaria de Fátima em outubro do próximo ano. Ao declarar aberto o ano jubilar de ouro da Diocese, os participantes manifestaram sua alegria pelo anúncio com uma expressiva salva de palmas.

-------------------------------.

Íntegra da homilia de Dom Adimir

HOMILIA DO DIA 01/08/2020

ABERTURA DO JUBILEU DE OURO DA DIOCESE DE EREXIM

1.      Saudação a todos os padres. Diáconos, Seminaristas, Consagrados (as), Autoridades civis, militares e lideranças em geral de nossas comunidades; irmãos e irmãs em Cristo presentes aqui na Catedral e aqueles que nos acompanham pelas redes sociais e emissoras de rádio.

2.      Abertura do Mês vocacional: “Amados e chamados por Deus”. Lema: “És precioso para mim... Eu te amo”! (Isaías). Agradecer a todos os padres e diáconos e parabeniza-los pelo seu dia, deixando desde já meu abraço fraterno.

3.      Estamos celebrando a abertura de nosso Ano Jubilar – 50 anos da Criação e Instalação da Diocese de Erexim. O ano jubilar é uma tradição na história e traz presente a gratidão sentida pela caminhada realizada e as graças alcançadas num período de muita luta e fadiga. É hora de celebrar as alegrias vividas e ter um coração voltado ao Senhor que nos concede todo bem e toda graça.

4.      Jubileu: Significa um tempo que anuncia ou marca um acontecimento importante. No livro do Profeta Isaías, 61,1-3, significa o anúncio de um tempo novo de libertação. “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu e me enviou para anunciar a boa nova para os pobres, a liberdade aos cativos, para proclamar o Ano da Graça do Senhor”. Tempo de transformação; tempo de mudança; tempo de esperança. O jubileu aponta para um Kairós – um novo tempo.

5.      Viver o ano jubilar é abrir-se a uma nova etapa em que iluminados pela experiência do passado, projetamo-nos a um futuro a ser construído em busca de respostas e no enfrentamento de desafios dos tempos atuais. É sentir a alegria de uma história construída com o esforço de muitas vidas: Vamos lembrar carinhosamente a pessoa de Dom João, Dom Girônimo, Dom José e com estes tantos padres, diáconos, consagrados (as) e leigos, sem enumerar nomes, mas com certeza uma multidão de pessoas que se doaram para fazer esta história acontecer.  Viver o jubileu é também poder contar com muitas outras pessoas que no hoje e no amanhã de nossa caminhada, nesta perspectiva de um futuro que nos convida a prosseguir sem desanimar, irão nos ajudar a continuar a história desta igreja particular.

6.      Ao longo deste 50 anos: (Como diz São Paulo na leitura de hoje, pergunto) o que nos separou do amor de Cristo? Angustia? Tribulação? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Nada. Em Cristo reconhecemos que o jubileu é oportunidade de perceber, de fato, como São Paulo nos diz mais uma vez: “em tudo isso, somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou!”.

7.      É olhar para traz e ver uma multidão que foi alimentada por Jesus com cinco pães e dois peixes (como nos apresenta o Evangelho). É olhar para frente e ver uma multidão sedenta a nos interpelar na fome e sede de uma sociedade humana, justa e solidária. É ter compaixão e oferecer a ela o que ela necessita para ter vida com dignidade. Pois Jesus continua, como fez aos seus discípulos a nos pedir: “Dai-lhes vós mesmos de comer”. Se nos comprometemos com Jesus e confiamos na sua palavra, o pouco que poderemos oferecer, “vai fazer o milagre acontecer” novamente. A multidão não precisa só do pão material, mas do pão da Palavra, o Pão da Eucaristia, o Pão da Solidariedade, o Pão da Justiça, o Pão do Amor. O Pão da Vida: e a Vida é Jesus.

8.      Vamos pedir ao Senhor que nos dê um coração humilde e grato para reconhecer os grandes feitos do passado e um coração sábio, generoso e comprometido para “Evangelizar, a partir da escuta e da vivência da Palavra de Deus, alimentados pela Eucaristia, fortalecendo uma Igreja Diocesana de Comunhão e participação, em saída, rumo à Plenitude”, como nos propomos no 14º Plano Diocesano da Ação Evangelizadora.

9.      Confiemos este nosso Ano Jubilar à intercessão de São José, nosso padroeiro e de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, padroeira de nosso santuário Diocesano, a fim de que tudo o que fizermos seja sempre para a maior glória de Deus. Amém!

===========================================

 

Projetos para o Ano Jubilar:

1.      Formaremos nos próximos dias uma comissão para preparar o programa do ano jubilar que ora abrimos, de maneira a articular as atividades na diocese;

2.      Faremos ao longo deste ano a visita pastoral em todas as paróquias da diocese;

3.      Convidamos as Pastorais e Movimentos a retomarem suas histórias motivando um novo impulso em suas atividades e em unidade com o 14º. Plano Diocesano de Ação Evangelizadora;

4.      Convidamos cada paróquia, para rever sua história e celebrem como comunidade a ação de Deus em sua vida, fortalecendo a vida de Comunhão Diocesana.

5.      Queremos impulsionar a vida espiritual para a profunda experiência de Deus que se manifesta sempre misericordioso para conosco, através da leitura orante da Palavra, de reflexões e retiros;

6.      No dia 1º/08/2021 faremos uma grande celebração de nosso Ano jubilar que terá seu encerramento oficial na Romaria do Santuário no mês de outubro.

Ø  COM ESTAS INDICAÇÕES E COM MUITA ALEGRIA, DECLARO ABERTO NOSSO ANO JUBILAR DO CINQUENTENÁRIO DE NOSSA QUERIDA DIOCESE DE EREXIM.

Dom Adimir Antonio Mazali

--------------------------------------------.

Na motivação inicial para o louvor e a ação de graças no início do ano jubilar

- (--entram o mapa e o brasão da Diocese) Ao iniciarmos este ano jubilar de ouro de nossa Diocese, bendizemos a Deus porque o Papa São Paulo VI nos constituiu Igreja Particular nesta região, junto com Cruz Alta e Rio Grande, no dia 27 de maio de 1971, nomeando Dom João Aloysio Hoffmann nosso primeiro Bispo, falecido em 1998. Lembramos a oficialização da Diocese por seu lema e seu brasão.

- Louvamos a Deus porque no dia primeiro de agosto daquele ano, a Diocese foi solenemente instalada com a posse canônica do primeiro bispo.

- Desde 1971, celebramos o aniversário de instalação da Diocese, especialmente, por 41 anos, com uma “Hora de Comunhão Diocesana” no primeiro domingo de agosto, com a abertura do mês vocacional.

- (--- entra o brasão de Dom Adimir) No início do nosso ano jubilar de ouro, recordamos com gratidão o já mencionado primeiro bispo, Dom João, o segundo, Dom Girônimo Zanandréa, também já falecido, e o terceiro, Dom José Gislon, transferido para a Diocese de Caxias do Sul. E entramos no ano jubilar com nosso novo Bispo, recém-chegado, Dom Adimir Antonio Mazali, cujo brasão é colocado diante de nós.

- Grande motivo para glorificarmos a Deus são algumas constantes nos 49 anos da Diocese: as assembleias periódicas definindo os planos da ação evangelizadora; a formação de agentes de pastoral com a instituição e oficialização de ministros, a ordenação de padres e diáconos permanentes; a organização e a atuação da Coordenação Diocesana, dos setores e Conselhos de Pastoral em seus diversos níveis e de Movimentos Leigos; os subsídios litúrgicos, catequéticos e outros; a Voz da Diocese e informativos diversos; as romarias e outras manifestações da piedade popular; as várias orientações, Diretrizes dos Sacramentos, normas litúrgicas, questões sócio-políticas e outras; a implementação do dízimo, os Conselhos Econômicos, a documentação e manutenção dos bens móveis e imóveis, o zelo pela observância das leis trabalhistas e todos os aspectos da administração econômica...

- No decorrer do ano jubilar, lembraremos muitas outras maravilhas que Deus fez por nós e identificaremos muitos desafios a serem enfrentados com a sua graça.

- Por tudo e por todos que fizeram e fazem parte da história de nossa Igreja nesta região desde a chegada dos pioneiros, graças, mil graças ao nosso onipotente e bom Deus, com o canto do glória.