Galeria de Fotos

Novena de Fátima ressalta o cuidado com a obra da criação

A procissão do terceiro dia da novena de Fátima, no dia 04 de outubro, dia em que se lembra São Francisco de Assis, partiu da igreja Santa Luzia, do Bairro Atlântico, em Erechim. Ela e a missa foram presididas pelo Pe. Paulo Rogério Caovila, Pároco da Paróquia São Francisco de Assis, de Mariano Moro, e concelebrada pelos padres André Lopes e Lucas Stein, da Paróquia da Salette, de Erechim, e pelo Pe. Valter Girelli, reitor do Santuário Diocesano. A animação dos cantos foi do Pe. José Carlos Sala, compositor do hino desta Romaria e de diversas outras, com a equipe de instrumentistas e cantores.

O tema deste terceiro dia da novena era: “Com Maria, cuidar do trabalho e do meio ambiente”, considerado muito oportuno pelo Pe. Paulo no início de sua homilia.

Na homilia, ele ressaltou que a Palavra de Deus nos fortalece neste tempo de tantos desafios e dificuldades, como as provenientes da pandemia Covid-19. Observou que se devemos ter cuidado com as criaturas de Deus, devemos também ter presente o cuidado que Ele tem por todas elas, especialmente por nós. Ele criou tudo com muito carinho como se fosse um jardim, o lugar para vivermos. Ele espera que tenhamos o mesmo carinho para com a obra de sua criação. Para cultivarmos este carinho pelas criaturas de Deus, temos São Francisco como grande modelo. Ele viveu como Deus quer que vivamos, na simplicidade, no desapego, no desprendimento, como referiu a passagem do evangelho da missa. Francisco tinha presente que tudo era obra de Deus e que, como dizia a leitura da celebração, tudo era muito bom. Deus criou o homem e a mulher para se completarem mutuamente e os abençoou. Ele sempre abençoa a todos. Maria Santíssima, cuja imagem circula pela cidade nesta novena, também nos abençoa. Sempre em referência ao evangelho proclamado, que convidava a olhar os lírios do campo de grande beleza e as aves do céu alimentadas por Deus e exortava a não ter a preocupação obsessiva pelo comer e o vestir, Pe. Paulo motivou a todos a cultivar a confiança na Providência Divina, o que não dispensa o próprio esforço permanente. A busca por ter sempre mais coisas, muitas desnecessárias, cria a insatisfação e tira a alegria da vida. Concluiu sua reflexão convidando a todos a se colocar nas mãos de Deus, contando com a intercessão de Nossa Senhora e de São Francisco de Assis.