Galeria de Fotos

O cuidado pelo meio ambiente com o trabalho humano na novena de Fátima

A missa dominical das 08h no Santuário do dia 04 de outubro, dia em que é lembrado São Francisco de Assis, foi também a missa da manhã do terceiro dia da novena de Fátima.

Pe. Valter Girelli, reitor do Santuário, presidiu a celebração seguindo o folheto do domingo da Diocese de Erexim, o 27º do tempo comum, cujo evangelho, na versão de São Mateus, apresenta a parábola da vinha, cujos trabalhadores se negaram entregar seus frutos para o proprietário. Mais do que isto, mataram os enviados dele para receber a produção e quando lhes mandou o próprio filho decidiram matar também a ele para herdar a propriedade. É alusão clara aos profetas que Deus enviou a seu povo e a seu próprio Filho, enviado para realizar a obra da redenção humana.

Na homilia, Pe. Valter disse que na vinha se pode ver toda a criação, confiada por Deus aos homens e às mulheres, para cuidá-la e desenvolvê-la. Conforme a primeira leitura do dia, que também fala da vinha, Deus esperava uvas de verdade, mas só encontrou uvas selvagens, injustiça e iniquidade. Ressaltou que Deus espera nosso cuidado com sua obra, que é também o que propõe o terceiro da novena de Fátima, “com Maria, cuidar do trabalho e do meio ambiente”. Referiu-se aos insistentes apelos do Papa Francisco a todos, também às autoridades das nações para o cuidado com o meio ambiente para se ter vida saudável. Lembrou que ontem, ele foi a Assis, na Itália, e junto ao túmulo de São Francisco, assinou sua terceira encíclica, intitulada “Fratelli Tutti”, inspirada naquele santo que chamava de irmão e irmã todas as criaturas. Exortou a todos deixar-se tocar pela mística do cuidado. Cuidado na vida pessoal, evitando tudo o que prejudica a saúde. Cuidado nas relações, evitando sentimentos e atitudes de discórdia, ódio, ganância, dominação. Colocar os dons recebidos a serviço do cuidado da criação. Para ressaltar esta sensibilidade com o meio ambiente, citou afirmação de um filósofo: o tigre nunca poderá se humanizar, mas o homem pode se desumanizar.