Notícia

No segundo dia da novena de São Cristóvão, Bispo oficializa ministras e renova mandato de outros

Dom José presidiu a missa do segundo dia da novena de São Cristóvão da paróquia do mesmo nome em Erechim, neste sábado, 14, concelebrada pelo pároco, Pe. Anderson Faenello, com a participação do diácono Edegar Passaglia.

A celebração, precedida da oração do terço junto à gruta de N. Sra. de Lurdes, foi animada pela comunidade Santa Isabel, equipe central e ministros. Nela, o Bispo oficializou duas servidoras, Márcia Estefânia Jevinski Bernardelli e Neusa Salete Ferronato Rosset, como ministras da evangelização, da caridade e extraordinárias da Sagrada Comunhão Eucarística e renovou o mandato, no mesmo ministério, de Alejandrina Paz, Dirce Gaiatto Kozak, Jolênia Restello, Ledamar Miotto, Moacir José Bertolazzi, Mercedes Cechet, Neusa Maróstica, Regina Boiani, Teresinha Maria Backes, Terezinha Schuwirk e Vilmar Zamboni.

 Na homilia, dentro do enfoque do dia, “com São Cristóvão, ser sal e luz na Igreja, Dom José lembrou o Ano Nacional do Laicato e a missão dos leigos na construção de uma sociedade na qual os valores cristãos da ética, da moral, da justiça e do desenvolvimento que constrói o bem comum prevaleçam sobre a corrupção que favorece alguns em detrimento da dignidade de vida da maioria. Ressaltou também sua ação na vida da Igreja, estimulados por tantos exemplos bonitos de religiosos, religiosas, sacerdotes, leigos e leigas, que dedicaram e dedicam sua vida servindo ao Senhor e aos irmãos na comunidade, com fidelidade e dedicação, muitas vezes arriscando a própria vida. (Adiante, íntegra da homilia de Dom José)

Terceiro e quarto dia da novena de São Cristóvão: O terceiro dia da novena, neste domingo, foi presidido pelo Pe. Maicon André Malacarne, Pároco da Paróquia N. Sra. Aparecida, Bairro Bela Vista, Erechim e Coordenador Diocesano de Pastoral. A missa foi animada pela Comunidade N. Sra. da Saúde, Bairro Peccin, jovens e CECRIS. Teve como enfoque “com São Cristóvão, ser sal e luz nas escolas e universidades". O quarto dia da novena, nesta segunda-feira, tem como enfoque “com São Cristóvão, ser sal e luz na sociedade”, com animação da comunidade Transfiguração de Cristo, Zeladoras das capelinhas e Renovação Carismática Católica e presidência do Pe.Giovani Momo.

----------------------.

Íntegra da homilia do Bispo

Com São Cristóvão “Ser Sal e Luz na Igreja”.

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus. Esta comunidade paroquial está se preparando espiritualmente para celebrar a festa do seu padroeiro, São Cristóvão, venerado como protetor dos motoristas e de todos aqueles e aquelas que partem em viagem.

Trago presente, nesta noite, os profissionais do volante e seus familiares, os empresários, os casais, as pessoas que vivem sós, os jovens, as crianças, os enfermos, as lideranças das comunidades desta paróquia, de modo especial os Ministros e Ministras da Evangelização, da Caridade e Extraordinários da Comunhão Eucarística, que hoje renovam seu compromisso de amor e serviço ao Senhor Jesus, e aquelas que serão hoje oficializadas para este ministério de amor serviço na Igreja comunidade de fé.

Queridos irmãos, a vida para todos nós é uma viagem, que pode ser longa ou breve dependendo dos vários fatores existenciais que marcam a nossa passagem por este mundo. Neste ano, no  Brasil, estamos celebrando, como comunidade católica, o Ano Nacional do Laicato. Como Igreja comunidade de fé, estamos percorrendo um caminho de reflexão à luz do documento 105 da Conferência dos Bispos do Brasil, que trata do envolvimento dos “cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade”.

 Os batizados não devem ser cidadãos apátridas, que vivem na indiferença a realidade política e social da nação onde residem. Eles são chamados, pela fé no Senhor Jesus, a serem “sal da terra e luz do mundo” (Mt 5,13.14), a contribuírem na construção de uma sociedade na qual os valores cristãos da ética, da moral, da justiça e do desenvolvimento que constrói o bem comum prevaleçam sobre a corrupção que favorece alguns em detrimento da dignidade de vida da maioria.

 Na Igreja, temos tantos exemplos bonitos de religiosos, religiosas, sacerdotes, leigos e leigas, que dedicaram e dedicam sua vida servindo ao Senhor e aos irmãos na comunidade, com fidelidade e dedicação, muitas vezes arriscando a própria vida.

O seu testemunho lembra-nos que, na Igreja, os batizados podem ser missionários apaixonados pela missão de anunciar Jesus sem descuidar da caridade no cuidado dos irmãos. Os santos que veneramos nos surpreendem, nos questionam e nos desinstalam, porque a sua vida nos chama a sair do comodismo e da tranquilidade anestesiadora da indiferença.

 Estimados irmãos e irmãs, Deus não pede a nós para fazermos coisas impossíveis, mas com a sua graça nos prepara para sermos instrumentos do seu amor e da sua paz no mundo. Deus não nos pede para carregarmos o mundo nas costas, porque o Redentor do mundo, que em forma de criança São Cristóvão carregou nos ombros, faz isso para aliviar o pesado fardo da vida de cada um de nós, mas nos pede para acolhermos e carregarmos o seu Filho Jesus no coração. Às vezes, o mais difícil da nossa vida cotidiana pode não ser carregar Jesus, mas viver o que Ele nos ensinou.

 Na vida, todos nós somos chamados a servir ao Senhor em tantas realidades, nas quais, muitas vezes, não percebemos que estamos ao seu serviço. Em toda realidade geográfica e humana, podemos ser “sal da terra e luz do mundo”, testemunhando que é possível, a partir da fé, fazer o bem, praticar a caridade e a justiça que revelam o rosto da ternura e da misericórdia de Deus. Podemos testemunhar a nossa fé numa dimensão comunitária, junto ao povo de Deus, como nos fala o profeta Isaías. Não é o lugar “privado” o ambiente no qual Isaías é chamado pelo Senhor, mas o espaço do culto e da oração do povo, a comunidade.

 Na narrativa de Isaías, o protagonista da sua vocação em primeiro lugar é Deus. Um Deus presente, que se envolve nos acontecimentos da história humana, mas não dominado por eles, indica uma realidade que não podemos esquecer. Podemos dizer que aqui está o fundamento da vocação profética: no rosto de um Deus que, mesmo sendo aquele que é três vezes santo, torna presente a sua santidade na história dos homens e das mulheres, e a sua glória enche o universo.

Podemos ter vivido ou estar vivendo um momento difícil da nossa vida, a ponto de dizer como o profeta Isaías: “Ai de mim, estou perdido!” Mas não podemos esquecer que o nosso Rei e Senhor tem a força de purificar não só os nossos lábios, mas também a nossa vida com a sua graça. Ele tem o poder de alimentar a nossa esperança para sermos no mundo, com tantas contradições e sinais de morte, “sal da terra, que dá sentido à vida, e luz do mundo”, que ilumina, não só a nossa vida interior, o nosso caminho, mas a vida e o caminho do meu irmão e da minha irmã.

Não tenhais medo, diz Jesus aos seus discípulos... O que voz digo na escuridão, dizei-o à luz do dia; o que escutais ao pé do ouvido, proclamai-o sobre os telhados! Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma! Temei aquele que pode destruir a alma e o corpo ... !

Queridos irmãos e irmãs, que São Cristóvão nos ensine a percorrermos o caminho de discípulos e discípulas do Senhor Jesus, com generosidade e amor, sendo sal da serra e luz do mundo a serviço da vida e do bem comum, na família, no mundo do trabalho e na comunidade.

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo.


Galeria de Fotos