Notícia

Papa questiona retórica de guerra e de rejeição da diferença

Francisco assina prefácio de obra dedicada às «Ciências da Paz»

 O Papa questionou, num texto divulgado hoje pelo Vaticano, a retórica de guerra e de rejeição da diferença que é promovida por vários responsáveis internacionais.

“Por que é que, num mundo onde a globalização quebrou tantas fronteiras, onde todos – como se diz – estamos interligados, se continua a praticar a violência nas relações entre os indivíduos e as comunidades?”, escreve, no prefácio da mais recente obra publicada pela Livraria Editora Vaticana, intitulada ‘Por um saber sobre a paz’.

Francisco lamenta que muitos governos acreditem que demonstram a sua força “com atos de guerra”, procurando ganhar, com o discursos da violência, “maior credibilidade aos olhos dos cidadãos e aumentar o consenso de que desfrutam”.

“Por que é que quem é diferente de nós muitas vezes nos assusta, de tal forma que assumimos uma atitude defensiva e desconfiada, a qual, com muita frequência, se torna uma agressão hostil?”, acrescenta.

O pontífice dirige-se especialmente aos jovens que pretendem se especializar em Ciências da Paz, tornando-se “agentes de paz”.

A obra é organizada por Gilfredo Marengo, vice-presidente e professor ordinário de Antropologia Teológica do Instituto Pontifício Teológico João Paulo II para as Ciências do Matrimónio e da Família.

Francisco recorda a sua recente decisão de instituir um ciclo de estudos em Ciências da Paz na Universidade Lateranense Pontifícia, de Roma, convidando à promoção de um “humanismo integral”.

“A Igreja é chamada a comprometer-se com a solução de problemas relativos à paz, à concórdia, ao meio ambiente, à defesa da vida, aos direitos humanos e civis”, precisa.

O Papa defende o diálogo entre filosofia, teologia, direito e história para “fomentar o crescimento de um saber sobre a paz”.

“Um bom agente de paz deve ser capaz de amadurecer um olhar sobre o mundo e a história que não caia em um ‘excesso de diagnóstico’, que nem sempre é acompanhado de propostas resolutas e realmente aplicáveis”, aponta, num texto publicado pelo portal ‘Vatican News’.

Fonte: Agência Ecclesia