Notícia

Uma maratona mundial de leitura em apoio às mulheres iranianas e afegãs

Em 28 de janeiro, a iniciativa "Ars narrandi, ars vivendi", promovida pelos jovens da Economia de Francesco, começa em Assis para apoiar as jovens dos dois países que manifestam pelos seus direitos e pela liberdade. Os contos orientais de "As Mil e Uma Noites" serão os protagonistas.

Francesca d'Amato – Vatican News

A Economia de Francisco, o movimento internacional de jovens economistas, empreendedores e responsáveis por transformações, está empenhada em apoiar os direitos das mulheres através de uma iniciativa que se realizará no dia 28 de janeiro, em Assis. Trata-se de uma maratona de leitura mundial destinada a ser um grito simbólico de protesto e demanda pelos direitos das mulheres afegãs e iranianas que manifestam por seus direitos e pela sua liberdade. O encontro propõe a leitura de ""As Mil e Uma Noites", a famosa coleção de romances árabes, que conta a história de Scheherazade, a heroína que se salvou e salvou outras mulheres do cruel Rei Shahriyar. O objetivo é convidar outras cidades a organizarem leituras e um debate público sobre o que está acontecendo no Irã e no Afeganistão. Particularmente no Irã, onde começaram os protestos pela morte de Mahsa Amini, que foi detida e presa em setembro passado porque não estava usando o hijab corretamente. Muitas cidades de todo o mundo já se uniram ao evento: Colônia na Alemanha, Oslo, Pacos em Portugal, e até mesmo Chile e Espanha. Houve também muitas iniciativas na Itália, onde até o mundo escolar expressou sua proximidade, em Parma, Lecco e Reggio Calabria.

A situação no Irã e no Afeganistão

Os jovens da Economia de Francisco já haviam organizado uma maratona de leitura ao vivo no dia 7 de dezembro passado, que viu 28 moças e rapazes conectados de tantos países do mundo, como um sinal de solidariedade e proximidade após a morte de Masha. Foi um evento que abalou o mundo inteiro e repercutiu em toda a comunidade internacional. As mulheres do país foram as primeiras a ganhar as ruas, seguidas pelos homens. Os motins foram seguidos de prisões e assassinatos. Enquanto no Afeganistão, os Talibãs negaram às mulheres o direito de estudar, de frequentar a universidade, de ter acesso a ginásios e parques públicos. 

A importância das palavras

Para os integrantes da Economia de Francisco, a leitura é o meio que os jovens devem ter, para falar em alta voz e serem ouvidos. Hoje, todas as questões sociais e políticas são espalhadas tão rapidamente quanto são removidas. Por esta razão, eles afirmam em uma declaração: "devemos permanecer vigilantes e lutar pela liberdade de todas aquelas mulheres que não podem fazer ouvir sua voz". O livro “As Mil e Uma Noites” nos lembra a importância e o valor das palavras, como meio de salvação e ferramenta para defender-se, protestar e lutar pelos direitos e liberdades de cada um. A história da coleção oriental conta sobre o rei Shahriyar que, traído por sua esposa, se casa com uma mulher todas as noites e a manda matar na manhã seguinte. Shahrazad, consegue se salvar e salvar todas as outras mulheres, entretendo o rei a cada noite com uma nova história e adiando o fim do conto para a noite seguinte. A ideia funciona, e no final dos "mil e um" contos, o rei consegue esquecer seu ódio pela mulher. Um conto que pretende ser uma metáfora e que coloca a ideia de diálogo através das palavras diante do leitor. Ler com a intenção de difundir a consciência e não ficar indiferente aos muitos abusos e violências, que muitas mulheres no mundo ainda hoje sofrem. 

Ao lado das mulheres para um futuro melhor

"A Economia de Francisco está fazendo o que pediram as pessoas a quem o evento é dedicado: façam ouvir as nossas vozes, não se esqueçam de nós, diz um dos jovens da Economia de Francisco. Hoje, toda questão social e política é removida alguns dias após a sua explosão na mídia. É por isso que é necessário estar vigilante, como sentinelas que guardam um problema para o qual (talvez) não há solução imediata, mas com respeito, ao qual não se pode virar para o outro lado ". "Sentimos o dever – continuam os organizadores - de estar ao lado das mulheres iranianas e afegãs que lutam por sua liberdade e ao lado de todos os jovens que estão tentando construir um futuro melhor. E o faremos com palavras. O livro “As Mil e Uma Noites” nos lembra que a narrativa é também um lugar a ser percorrido para tentar derrotar a morte: um sinal para celebrar e defender o valor das palavras e sua capacidade generativa de salvação, o direito fundamental de expressar-se, de protestar, de defender e lutar pela vida, pelos direitos e pela liberdade. Que sejam as mulheres e os jovens a gerar as necessárias palavras primárias do mundo novo que deve nascer".

Fonte: Vatican News

Olá!

Como podemos ajudar?

Atendimento

(54) 3522-3611